Livro de Gálatas

Estudo sobre Gálatas

Estamos estudando o livro de Gálatas todas as terças-feiras na sede do Setor 48 (Viva Lares). Venha aprender juntamente com os obreiros este livro que trata sobre a liberdade cristã e o compromisso do crente com a cruz de Jesus Cristo.

Acompanhe abaixo um resumo do livro, um breve diagnóstico da carta de Paulo aos Gálatas.

Autor: Gálatas 1:1 claramente identifica o apóstolo Paulo como o seu autor.

Quando foi escrito: Dependendo de aonde exatamente o livro de Gálatas foi enviado e em qual viagem missionária Paulo iniciou as igrejas naquela área, o livro de Gálatas foi escrito em algum lugar entre 48 e 55 dC.

Propósito: As igrejas em Galácia eram formadas em parte de judeus convertidos e em parte de gentios convertidos, como era geralmente o caso. Paulo afirma seu caráter apostólico e as doutrinas que ensinava a fim de confirmar as igrejas da Galácia na fé de Cristo, especialmente no que diz respeito ao ponto importante da justificação pela fé. Assim, o assunto é essencialmente o mesmo ao discutido na epístola aos Romanos, ou seja, a justificação pela fé. Nesta carta, contudo, a atenção é especialmente dirigida ao ponto de que os homens são justificados pela fé sem as obras da Lei de Moisés.

Gálatas não foi escrito como uma redação sobre a história contemporânea. Foi um protesto contra a corrupção do evangelho de Cristo. A verdade essencial da justificação pela fé e não pelas obras da lei tinha sido obscurecida pela insistência por parte dos judaizantes de que os crentes em Cristo deviam cumprir a lei se esperavam ser perfeitos diante de Deus. Quando Paulo soube que este ensino tinha começado a influenciar as igrejas de Galácia e que os tinha afastado de sua herança de liberdade, ele escreveu o forte protesto contido nesta epístola.

Versículos-chave: Gálatas 2:16: “… sabendo, contudo, que o homem não é justificado por obras da lei, e sim mediante a fé em Cristo Jesus, também temos crido em Cristo Jesus, para que fôssemos justificados pela fé em Cristo e não por obras da lei, pois, por obras da lei, ninguém será justificado.”

Gálatas 2:19-20: “Porque eu, mediante a própria lei, morri para a lei, a fim de viver para Deus. Estou crucificado com Cristo; logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim.”

Gálatas 3:11: “E é evidente que, pela lei, ninguém é justificado diante de Deus, porque o justo viverá pela fé.”

Gálatas 4:5-6: “… para resgatar os que estavam sob a lei, a fim de que recebêssemos a adoção de filhos. E, porque vós sois filhos, enviou Deus ao nosso coração o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai!”

Gálatas 5:22-23: “Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei.”

Gálatas 6:7: “Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará.”

Resumo: O resultado da justificação pela graça mediante a fé é a liberdade espiritual. Paulo chama os Gálatas a manterem-se firmes na sua liberdade, e “não vos submetais, de novo, a jugo de escravidão (isto é, a lei mosaica)” (Gálatas 5:1). A liberdade cristã não é uma desculpa para satisfazer uma natureza inferior; pelo contrário, é uma oportunidade de amar uns aos outros (Gálatas 5:13, 6:7-10). Essa liberdade não isola ninguém das lutas da vida. De fato, pode até intensificar a luta entre o Espírito e a carne. No entanto, a carne (a natureza inferior) foi crucificada com Cristo (Gálatas 2:20) e, como consequência, o Espírito produzirá seus frutos na vida do crente, tais como: amor, alegria e paz (Gálatas 5:22-23).

A carta aos Gálatas foi escrita em um espírito de inspirada agitação. Para Paulo, a questão não era se uma pessoa tinha sido circuncidada, mas se havia se tornado “uma nova criação” (Gálatas 6:15). Se Paulo não tivesse sido bem sucedido em seus argumentos a favor da justificação pela fé, o Cristianismo teria permanecido uma seita dentro do judaísmo, ao invés de se tornar uma forma universal de salvação. Gálatas, portanto, não é só a epístola de Lutero, mas também a epístola de cada crente que confessa com Paulo: “Estou crucificado com Cristo; logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim” (Gálatas 2:20).

Os livros de Tiago e Gálatas ilustram dois aspectos do Cristianismo que desde o início aparentam estar em conflito, embora na realidade sejam complementares. Tiago insiste na ética de Cristo, uma demanda de que a fé prove a sua existência pelos seus frutos. No entanto, Tiago, não menos que Paulo, enfatiza a necessidade da transformação do indivíduo pela graça de Deus (Tiago 1:18). Gálatas salienta a dinâmica do Evangelho que produz ética (Gálatas 3:13-14). Paulo não era menos preocupado do que Tiago sobre a vida ética (Gálatas 5:13). Como os dois lados de uma moeda, esses dois aspectos da verdade cristã devem sempre acompanhar um ao outro.

Conexões: Ao longo da epístola de Paulo aos Gálatas, a graça salvadora – o dom de Deus – é contrastada com a lei de Moisés, a qual não salva. Os judaizantes, aqueles que iriam retornar à lei mosaica como fonte de justificação, foram eminentes na Igreja primitiva, ao ponto de temporariamente atraírem um cristão de destaque como Pedro em sua teia de enganos (Gálatas 2:11-13). Assim, tão apegados eram os primeiros cristãos à lei, que Paulo teve que continuamente reiterar a verdade de que a salvação pela graça não tinha nada a ver com a observância da lei. Os temas que ligam Gálatas ao Antigo Testamento centram em torno da lei versus graça: a incapacidade da lei de justificar (2:16); a morte do crente com a lei (2:19); a justificação pela fé de Abraão (3:6); a lei não traz a salvação, mas a ira de Deus (3:10); e, por último, o amor, não obras, cumpre a lei (5:14).

Aplicação Prática: Um dos principais temas do livro de Gálatas é encontrado em 3:11: “O justo viverá pela fé.” Não só somos salvos pela fé (João 3:16, Efésios 2:8-9), mas a vida do crente em Cristo — dia a dia, momento a momento — é vivida por e através dessa fé. Não que a fé seja algo que conjuremos sozinhos – ela é o dom de Deus, não de obras — mas é nossa responsabilidade e alegria (1) expor a nossa fé para que os outros vejam o trabalho de Cristo em nós; (2) aumentar a nossa fé mediante a aplicação das disciplinas espirituais (estudo bíblico, oração e obediência).

Jesus disse que seríamos conhecidos pelo fruto das nossas vidas (Mateus 7:16), o qual dá provas da fé dentro de nós. Todos os cristãos devem ser diligentes em lutar para construir sobre a fé salvadora dentro de nós para que os outros possam ver Jesus em nossas vidas e “glorifiquem a vosso Pai que está nos céus” (Mateus 5:16).

Fonte: Disponível em http://www.gotquestions.org/Portugues/Livro-de-Galatas.html#ixzz2i0G97fbj. Acesso em 17 de outubro de 2013.

Anúncios

Nesta terça iniciou Estudo Bíblico sobre Gálatas

20131015_202602

O templo sede do Setor 48 (Viva Lares) nesta terça-feira foi o palco para o início do Estudo Bíblico sobre o livro de Gálatas. O diácono Humberto Damas (foto acima) foi o primeiro a  ministrar sobre o livro, ele abordou uma breve introdução sobre a carta escrita pelo apóstolo Paulo.

Acompanhe alguns detalhes do livro bíblico:

Introdução #Gl 1.1-5

Quando o evangelho se espalhou pelo Império Romano e muitos não-judeus começaram a aceitar Jesus como Salvador, logo surgiram discussões sobre a necessidade de os não-judeus seguirem as leis dos judeus, especialmente a lei que mandava que todo homem fosse circuncidado (#At 15.1-33). Essa mesma discussão apareceu nas igrejas que o apóstolo Paulo havia fundado na província romana da Galácia, que ficava numa região que hoje faz parte da Turquia. Várias pessoas estavam dizendo àqueles cristãos que, para poderem ser aceitos por Deus, eles precisavam obedecer à Lei de Moisés.

A Carta aos Gálatas é a resposta que Paulo dá a essa falsa doutrina. Com argumentos fortes e palavras às vezes chocantes, Paulo denuncia esse outro evangelho que está sendo anunciado e procura trazer de volta para a fé verdadeira aqueles que estão se desviando do caminho certo. Ele fala da sua própria experiência cristã e defende a sua autoridade como apóstolo. Mostra também como, na reunião dos líderes cristãos em Jerusalém, ele tinha recebido a aprovação deles para continuar a anunciar a mensagem de que a salvação depende somente da fé e não daquilo que a Lei de Moisés manda fazer. Em defesa da sua posição, Paulo cita o Antigo Testamento e fala da experiência de Abraão, o pai do povo escolhido. Ele mostra que Abraão foi aceito por Deus não por causa das suas obras, mas porque teve fé em Deus. Na última parte da carta Paulo fala da liberdade que têm as pessoas que crêem em Cristo e como essa liberdade se torna realidade na vida cristã.

Todos os cristãos de todos os tempos devem se lembrar sempre desta declaração do apóstolo: “Cristo nos libertou para que nós sejamos realmente livres. Por isso, continuem firmes como pessoas livres e não se tornem escravos novamente” (#Gl 5.1).

Não perca os próximos encontros, nas terças-feiras, quando estaremos abordando os capítulos desta carta maravilhosa do apóstolo Paulo.

Veja o que abordaremos:

O verdadeiro evangelho #Gl 1.6-10

A missão e a mensagem de Paulo #Gl 1.11-2.21

A defesa do verdadeiro evangelho #Gl 3.1-4.31

O evangelho e a vida cristã #Gl 5.1-6.10

Palavras finais e bênção #Gl 6.11-18

Veja aqui quem estará ministrando os próximos encontros: https://advivalares.wordpress.com/2013/10/17/estudo-biblico-sobre-o-livro-de-galatas-2/

Estudo Bíblico sobre o livro de Gálatas

Estudo sobre Gálatas

Iniciou no dia 15 de outubro no templo sede do Setor 48 (Viva Lares) o Estudo Bíblico sobre o livro de Gálatas.

O Igreja Evangélica Assembléia de Deus de Joinville (IEADJO) estará no dia da Bíblia prestando uma homenagem a este livro tão precioso e importante para a promoção do Reino de Deus, a Bíblia Sagrada. Os setores da IEADJO, hoje 64, estarão estudando os livros de acordo com a quantidade de livros da Bíblia, 66. O setor Viva Lares é o número 48 e o livro 48 é Gálatas.

O pastor Márcio Batista, responsável pelo setor 48, distribuiu o estudo entre os obreiros da Igreja e estarão ministrando conforme abaixo:

15 de Outubro – Dc Humberto Damas (Introdução)
22 de Outubro – Pb Paulo A. de Souza (Capítulo 1)
29 de Outubro – Pr Márcio Batista (Capítulo 2)
05 de Novembro – Pb Orlando Trapp (Capítulo 3)
12 de Novembro – Pr Renato Albino (Capítulo 4)
19 de Novembro – Pb Alberto Juliano Ramos (Capítulo 5)
26 de Novembro – Pr Márcio Batista (Semana de Jubileu de Estanho da IEAD Setor Viva Lares / Igreja Edificada em Cristo)
03 de Dezembro – Pb Ezequiel Ribas (Capítulo 6)
10 de Dezembro – Pb Marcos Valenza (Gálatas)
17 de Dezembro – Ax Joaquim Ramalho (Gálatas)
24 de Dezembro – Pr Márcio Batista (Natal)
31 de Dezembro – Pr Márcio Batista (Ano Novo)

Durante as semanas subsequentes no WebSite da IEAD Setor Viva Lares [www.advivalares.wordpress.com] vamos acompanhar algumas novidades sobre o livro de Gálatas, não perca!

Estudo Bíblico sobre o livro de Gálatas

image

Inicia nesta terça feira (15 de outubro) na congregação Viva Lares o Estudo Bíblico sobre o livro de Gálatas.

O distrito estará estudando este livro, pois no Dia da Bíblia estará representando na carreata o livro número 48 da bíblia, por ser o Distrito 48.

O pastor Márcio com os obreiros, decidiram estudar juntos o livro.

Nesta terça o Diácono Humberto Damas fará a introdução do livro. E na próxima terça (22), o Presbítero Paulo A. Souza abordará o primeiro capítulo.

Venha!